ensino, publicações, ensaios

prof. euler sandeville


espiral     núcleo de estudos     história da cultura     processos colaborativos     ensino e pesquisa     apoio didático     sobre

foto: Euler Sandeville Jr., Itatiaia, 2006



retornar à página de abertura desta seção






Desenho: Bactris hirta Mart. [as Bactris unaensis Barb. Rodr.]. Barbosa Rodrigues, J..Sertum palmarum brasiliensium, vol. 2: t. 17 (1903).
PESQUISA DOCENTE
Euler Sandeville Jr.


Para uma compreensão melhor das linhas de pesquisa que marcam o percurso docente e como estão sendo desenvolvidas, veja através do menu na página inicial as seções Núcleo de Estudos da Paisagem e suas duas linhas: A Natureza e o Tempo (o Mundo) e Paisagens Partilhadas / Territórios Educativos


TITULAÇÃO: MESTRADO (1987-1994), DOUTORADO (1994 – 1999), LIVRE DOCÊNCIA (2011)

1987 – 1994 A HERANÇA DA PAISAGEM (Mestrado)
Euler Sandeville Jr.. Orientadora Miranda Martinelli Magnoli.

Descrição: O trabalho divide-se em três partes, compreendendo a paisagem como um espaço comum e coletivo e como uma possibilidade de experiência estética e sensível, discutindo a paisagem e o projeto como campos culturais e históricos (herança) e formas alternativas de intervir nas paisagens. A primeira parte procura compreender o campo histórico do projeto da paisagem, internacional e no Brasil, procurando situar algumas referências, em especial as modernas. O segundo módulo procura compreender alguns processos da arquitetura como projeto urbano, verificando impasses, atrelamentos, processos e valores na transformação do espaço público através de um projeto modernizante, acompanhando para esse fim em uma perspectiva histórica as transformações da Praça da Sé até as reformas do Metrô, a implantação do complexo Estação Barra Funda – Memorial, e o Parque do Tietê proposto por Niemeyer nos anos 1980. A terceira parte estabelece um contraponto a essas visões de cidade e de projeto, , geralmente entendido como objeto isolado e modernizante, propondo como alternativa processos de gestão que procurem compreender a vida dos lugares e estabelecer processos integrados e participativos de gestão.


1994 – 1999 AS SOMBRAS DA FLORESTA. VEGETAÇÃO, PAISAGEM E CULTURA NO BRASIL
Euler Sandeville Jr.. Orientadora Miranda Martinelli Magnoli.

Descrição: Este trabalho é um estudo sobre as relações entre identidade nacional e a paisagem tropical, investigando a natureza enquanto uma dimensão da cultura. Como foco principal dessa discussão adotamos um dos elementos mais notáveis e atrativos na percepção e representação de nossas paisagens, a vegetação tropical, sobretudo como tem comparecido nos textos de viajantes e de eruditos da cultura nacional enquanto elemento de identificação de nossa especificidade enquanto nação. Investigamos ainda sua apropriação em projetos de paisagismo e de qualificação do ambiente urbano. Estudar a vegetação brasileira é explorar os significados ambientais e simbólicos, estéticos e científicos, implicados na dramática e contraditória construção da paisagem tropical brasileira até o início do século 21. A valoração e apropriação da vegetação, sua preservação, seu conhecimento e seu emprego em ambientes rurais ou urbanos, ocorrem no quadro de projetos culturais que são históricos e portanto ideológicos. Seja no “jardim”, seja no “ambiente”, com frequência e de longa data, a vegetação tornou-se um dos mais fortes símbolos de identidade, possibilitando-nos colocar em questão em que consiste essa identidade, como foi construída, como está sendo pensada hoje.


2011 PAISAGENS PARTILHADAS. TESE DE LIVRE DOCÊNCIA
Euler Sandeville Jr.

Descrição: A Tese desenvolve formas de aprender na e com a cidade, na paisagem, vivenciando coletiva e colaborativamente suas possibilidades, esperanças, dramas, contradições. O ideário propositivo foi pensado como uma Espiral da Sensibilidade e do Conhecimento. Tenho como diretriz que estabelecer processos experimentais, reconhecendo trajetividades dessas e outras condições, fundando-se em princípios e valores conscientemente partilhados, poderá estabelecer conjuntamente a potência da ação coletiva e criativa e uma renovação experimental da prática acadêmica e dos horizontes da universidade pública. A proposta objetiva estabelecer processos de aprendizagem e pesquisa contínua e não linear na construção de um conhecimento livre e sensível, voltado para o ideal de um mundo livre e em paz. Propõe que o pensamento não se despregue de uma ação criativa e crítica que seja ativa e solidária, afetiva, em uma relação experimental com processos naturais e com as contradições sociais de produção e transformação do espaço humano. Essa proposição alimenta um programa de ensino-pesquisa como aprendizado em ação, envolvendo uma rica experiência existencial e intelectiva na paisagem. Tem como pressuposto que a experiência é indissociável de um processo complexo e crítico de aprendizagem, no qual o sensível e o cognitivo se encontram, tornando-a essencial tanto à interpretação da paisagem quanto à formação do arquiteto e urbanista. Esses capítulos são um texto em contínua construção, gerando diversas espirais que se tocam e afastam no espaço, na memória, em ação.


Outras pesquisas docentes

2000-2002 AMBIENTE, PAISAGEM E GLOBALIZAÇÃO NO PLANEJAMENTO ESPACIAL PARA LAZER, TURISMO E HOSPEDAGEM
Descrição: Esta investigação buscou um enquadramento conceitual para a apropriação que atividades de lazer, turismo e hospedagem fazem da paisagem contemporânea e do tipo (qualidade) de fruição que estimulam. Caracteriza-se como pesquisa exploratória, a fim de investigar aspectos e condicionantes gerais que permitam uma primeira aproximação do tema, procurando entender os fenômenos em uma perspectiva integradora e abrangente. Reconhece o dinamismo desse segmento nas atuais tendências de globalização, a especificidade cultural, ecológica e social das paisagens que lhe dão suporte e nas quais tais empreendimentos se isolam ou integram aos contextos ambientais em que se inserem, investiga-se com base nesse quadro referencial o papel e o alcance do emprego de técnicas de planejamento e desenho ambiental na conservação e desenvolvimento de qualidades locais e no sucesso desses empreendimentos..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Mestrado acadêmico ( 1) .
Integrantes: Euler Sandeville – Coordenador / Luiz Claudio Gonçalves – Integrante.

1997 – 2000    METODOLOGIAS DE PESQUISA EM HISTÓRIA DA ARQUITETURA E DO URBANISMO****
Descrição: O trabalho foi desenvolvido nas Universidades Católica de Santos, Braz Cubas e Bandeirantes. Definia uma estratégia de inserir no curso regular programas de formação do aluno para pesquisa em Arquitetura e Urbanismo, na cidade de origem do curso, no âmbito de disciplinas de Teoria e História. O método foi desenvolvido a partir de pesquisas anteriormente realizadas pelo docente, e envolvia o levantamento de documentação primária, entrevistas, visitas e outros procedimentos. Entre os resultados notáveis, na Uniban conseguimos identificar autoria de Niemeyer no projeto da antiga Gastroclínica através de planta assinada, e em especial, de maior repercussão, um trabalho que propus que a aluna Lilian Paiva protocolasse no Condephaat pedindo e informando o tombamento da Catedral da Sé. O que ocorreu (20 jun 2016 TOMBAMENTO Ato 1840 PRAÇA DA SÉ E CATEDRAL METROPOLITANA DE SÃO PAULO) em 2016, 17 anos depois, o que para mim ilustra a duração dos processos de ensino e aprendizagem e suas possibilidades muito além de qualquer imediatismo e, dentro de limites, das próprias condições que nos são impostas. Este fato me levou a inserir esta observação no Lattes, pois além da alegria de receber esse retorno, deve nos fazer pensar na natureza do ensino, tão desvalorizado inclusive neste programa que ignora toda a produção docente em aulas!.
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Integrantes: Euler Sandeville – Coordenador.

2000-2001 Vegetação nativa arbórea para projeto e planejamento paisagístico na Região Metropolitana de São Paulo 2000
Descrição: A pesquisa relaciona o conhecimento científico sobre a vegetação nativa com as práticas de projeto e planejamento atualmente empregadas pelo arquiteto paisagista. Utiliza dados secundários, disponíveis em trabalhos científicos sobre flora e fitossociologia, e em trabalhos empíricos como projetos ambientais, recuperação de áreas degradadas, estudos de impacto ambiental..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação ( 0) / Especialização ( 0) / Mestrado acadêmico ( 0) / Mestrado profissionalizante ( 0) / Doutorado ( 0) .
Integrantes: Euler Sandeville – Coordenador.

1998 – 1999    METODOLOGIAS DE PESQUISA EM HISTÓRIA DA ARQUITETURA E DO URBANISMO
Descrição: O trabalho foi desenvolvido nas Universidades Católica de Santos, Braz Cubas e Bandeirantes. Definia uma estratégia de inserir no curso regular programas de formação do aluno para pesquisa em Arquitetura e Urbanismo, na cidade de origem do curso, no âmbito de disciplinas de Teoria e História..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Integrantes: Euler Sandeville – Coordenador.

1986 – 1992    METODOLOGIAS DE PESQUISA EM HISTÓRIA DA ARQUITETURA E DO URBANISMO
Descrição: O trabalho foi desenvolvido nas Universidades Católica de Santos, Braz Cubas e Bandeirantes. Definia uma estratégia de inserir no curso regular programas de formação do aluno para pesquisa em Arquitetura e Urbanismo, na cidade de origem do curso, no âmbito de disciplinas de Teoria e História..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Integrantes: Euler Sandeville – Coordenador.

1985 O Rio de Janeiro na Época do Padre José maurício
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Integrantes: Euler Sandeville – Coordenador.

1985 Arquitetura dos Teatros Municipais de São Paulo
Descrição: Na época, foi fundamental a pesquisa, colocando-me fora da produção oficial da arquitetura moderna, para uma arquitetura então desconhecida, que articulava-se com a nascente Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP, sobretudo através do notável arquiteto Hélio Duarte, injustamente quase excluído àquele tempo dos estudos e livros de história da arquitetura moderna, de Roberto Tibau, Eduardo Corona, bem como ligando-se ao IAB, extremamente ativo na década de 50. A Comissão do Convênio escolar representou uma notável experiência arquitetônica e urbanística, que essa pesquisa contribuiu para começar a ser resgatada. Na pesquisa, procurei desenvolver um método de trabalho quer partia da definição de Lucio Costa já citada, estabelecendo relações com a vida cultural, com a urbanística, as arte e a inserção profissional e institucional dos arquitetos no período. A arquitetura era vista através das publicações, depoimentos, tantos quanto da obra executada e suas transformações, bem como dos croquis, projetos executivos e memórias de obras. Tal experiência contribuiu para desenvolver na segunda metade da década de 80 um projeto de ensino de história da arquitetura, inicialmente na Faculdade de Santos e depois nos anos 90 na Uniban..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação ( 0) / Especialização ( 0) / Mestrado acadêmico ( 0) / Mestrado profissionalizante ( 0) / Doutorado ( 0) .
Integrantes: Euler Sandeville – Coordenador.

1985-1987 vegetação: natureza e projeto
Descrição: Pesquisa sobre a vegetação ornamental para emprego em projetos de Paisagismo. Envolveu viagens de estudo a projetos paisagísticos, a ecossistemas protegidos, coleta de plantas, documentação fotográfica, criação de um pequeno viveiro experimental e elaboração de um programa de seleção de espécies para micro-computaador..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação ( 0) / Especialização ( 0) / Mestrado acadêmico ( 0) / Mestrado profissionalizante ( 0) / Doutorado ( 0) .
Integrantes: Euler Sandeville – Coordenador.

      








^ retornar ao início da página


uma proposta de Euler Sandeville Jr.


leia em "sobre" a Licença de Uso ↑ do material deste sítio
cite o conteúdo que utilizar deste sítio conforme indicado em cada artigo ou veja aqui modelo ↑ geral
utilizamos na edição deste sítio software livre
Entre em contado conosco ↑