núcleo de estudos da paisagem

prof. euler sandeville


espiral     núcleo de estudos     história da cultura     processos colaborativos     ensino e pesquisa     apoio didático     sobre


foto de Euler Sandeville Jr., Euler Sandeville Jr., Pinturas rupestres, Fabião I, 2000.



retornar à página de abertura desta seção

O BISÃO NA CAVERNA (ARTEFATOS E ARTIFÍCIOS) ↑

ENXERGAR O FUNDO DO LAGO PARA VER DURANTE A TEMPESTADE ↑


Figura: Arte rupestre no Brasil, Serra da Capivara, Piauí.
*** nota sobre esta imagem no final desta página

A LONGA ANTIGUIDADE DOS MUNDOS I
A AURORA NA NEBLINA
(os relatos das origens, até o neolítico)
      Nossa Terra Incognita: amnésia e imaginação: hic sunt dracones [ 1]
Euler Sandeville Jr.
      Junho de 2017 (definição da seção março de 2016), reorganização setembro de 2018.
      como citar:
      SANDEVILLE JR., Euler. “A aurora na neblina“. A Natureza e o Tempo (o Mundo), on line, São Paulo, 2016-2018.



Pesquisar é indagar a existência.
φύσις κόσμος αίων κρόνος καιρός
este mundo está em guerra, embora muitos de nós desejem a paz




“Um povo é como um homem. Quando desaparece, nada mais resta dele, se não tiver tomado o cuidado de deixar sua impressão nas pedras do caminho” (Élie Faure [ 2]).

Com a frase acima Élie Faure, em sua “A Arte Antiga” (1909) [2] , encerra o capítulo que trata da arte paleolítica e neolítica. Mas essa impressão deixada muita vezes é muda e silenciada hermeticamente no tempo, senão pelo ponto de onde a observamos hoje e a queremos ver como resposta para nossas suposições. Esta seção de “A Natureza e o Tempo (o Mundo)” trata desses tempos, dos quais restam apenas vestígios muito parciais e esparsos, que dão lugar a hipóteses muitas vezes mais imaginativas sobre esse passado distante do que de fato conclusões racionais. Hipóteses que, mais do que desvendar esses tempos, elucidam o modo como desejamos nos narrar e nos ver no mundo.

Seja bem vindo para adentrar a discussão sobre a longa antiguidade dos mundos.



Figura 1: Cientistas descobrem flor ‘intacta’ em fóssil de 15 milhões de anos [16/02/2016]. “Pesquisadores da Universidade de Oregon, nos Estados Unidos, descreveram uma nova espécie de planta graças à descoberta de flores fossilizadas dentro de pedaços de âmbar que têm pelo menos 15 milhões de anos. (…) A nova planta, batizada de Strychnos electri, pertence ao gênero de arbustos tropicais e árvores conhecidos por produzir a toxina estricnina. (…) Mas essas plantas também são da família das “asterídeas”, que inclui mais de 80 mil plantas floríferas – até mesmo muitas que são de consumo humano, como a batata, o café e o girassol”. Disponível em noticias.uol.com.br/ciencia/ultimas-noticias/bbc/2016/02/16/cientistas-descobrem-flor-intacta-em-fossil-de-15-milhoes-de-anos.htm acesso em 17/02/2016, a mesma matéria, com mesmo título Disponível em bbc.com/portuguese/noticias/2016/02/160216_flor_fossil_descoberta_fn.shtml?ocid=socialflow_twitter


A narrativa das origens mobilizou a imaginação e as certezas de grande parte das culturas, inclusive aquelas industriais das quais o que chamamos de contemporâneo emerge. O modo de estar lá, onde ninguém esteve, define muito do modo como pensamos e queremos estar onde estamos, e como vislumbramos nosso devir.

A Aurora na Neblina evidencia um tempo imerso no silêncio, em que procuramos recolocar em ordem um mundo passado coerente com nossa época, através de um imaginativo e progressivo dar voz a esses vestígios emudecidos do nosso mundo e da nossa própria natureza. É necessário lembrar, sobretudo, o esforço de imaginação e subordinação aos preceitos de uma época a que esses testemunhos misteriosos e instigantes do passado nos estimulam, ao termos a necessidade de condicionar suas explicações consoante aos nossos pressupostos intelectuais.

Antes da nossa, diversas sociedades constituíram ricas narrativas das origens. Obviamente não me refiro aqui aos testemunhos pré-históricos, mas a narrativas ancestrais como o Enuma Elish, Gilgamesh, o Livro do Gênesis, os Vedas e outros tantos, sem com isso querer igualar sua significação profunda. De modo algum são a mesma coisa e a chave do mítico, que modernamente com frequência lhes atribuímos, faz escapar-nos seus sentidos próprios e de uma longa duração. Apenas com isso desejo indicar como a busca de sentido atravessa “nossa” milenar jornada e nossa construção de artefatos materiais e intelectuais.

Situando-nos na contemplação do passado a partir do nosso peculiar e tão recente presente. Os exemplos a seguir podem ajudar-nos a perceber o rico campo imaginativo em que tanto estudamos quanto inventamos – e consumimos -, as nossas narrativas do passado. A interpretação das nossas origens é dependente dos complexos impasses, disputas e certezas ontológicos e conceituais que se constituíram na formação da mentalidade contemporânea remontando pelo menos aos séculos XVIII e XIX.

A descoberta no século XIX da arte parietal das cavernas suscitou grandes discussões. Isso porque não se coadunava facilmente, em um primeiro momento, com o pensamento acerca da evolução biológica e sociocultural do homem. Em 1868 um caçador chamado Modesto Cubillas tentava libertar seu cão que ficara preso nas fendas. Descobriu vestígios do que viria a ser uma das mais surpreendentes descobertas arqueológicas acerca do homem pré-histórico.

Marcelino Sanz de Sautuola (1831 — 1888), aficionado em paleontologia, desde 1876 visitou o local.  Em 1878, buscando escavar restos de ossos e sílex como os que vira na Exposição Universal de Paris naquele mesmo ano, foi acompanhado de sua filha de 8 anos, Maria Sanz de Sautola y Escalante (1871-1946). A menina chegou a uma das “salas” interiores com as pinturas parietais, chamando o pai para ver as estranhas pinturas.



Figura 2: Maria Sanz de Sautola y Escalante. Disponível em pt.wikipedia.org/wiki/Marcelino_Sanz_de_Sautuola#/media/File:Sanz_de_Sautuola.jpg e https://pt.wikipedia.org/wiki/Caverna_de_Altamira sob licença livre.


Figura: Marcelino Sanz de Sautuola. Disponível em pt.wikipedia.org/wiki/Marcelino_Sanz_de_Sautuola#/media/File:Sanz_de_Sautuola.jpg e https://pt.wikipedia.org/wiki/Caverna_de_Altamira sob licença livre.


Sautola estava convencido de serem pré-históricas, mas totalmente inéditas em relação ao que se havia descoberto até então. Em decorrência, publicou em 1880 o Breves apontes sobre alguns objetos pré-históricos da província de Santander. Porém, para sua longa aflição, a descoberta era inteiramente inconsistente com as certezas da época sobre a evolução humana e das culturas e surpreendente demais para não ser senão uma produção muito posterior. Não se encaixava. Os maiores especialistas recusaram veementemente seu trabalho.

Sautola morreu em 1888 completamente desacreditado nos círculos científicos mais influentes. Entretanto, rapidamente novas descobertas forçavam a uma revisão das certezas, que viriam a  exigir que se enquadrassem esses novos testemunhos que se multiplicavam em um quadro interpretativo, uma vez que se considerava agora comprovada a sua antiguidade. Os horizontes do “homem primitivo” se alargavam, bem como suas habilidades.

Em 1902 um dos maiores críticos de Sautola publicaria o artigo La grotte d’Altamira. Mea culpa d’un sceptique (A caverna de Altamira. Mea culpa de um cético). Infelizmente Sautola não usufruiu a reabilitação de suas ousadias. Mas a pequena Maria, já então com com 22 anos a essa altura, certamente tomou conhecimento da valorização da descoberta que fizera tão precocemente com seu pai, e que tantos dissabores lhe trouxe estar à frente da ciência que ajudava a construir.

Seja como for, 14 anos após a morte de Sautola, esse acervo magnífico passou a integrar de modo coerente toda a compreensão contemporânea das origens. Em 1985 Altamira foi declarada Patrimônio da Humanidade.

Vejamos mais exemplo, que fala desses tempos antigos, mas falam ainda mais de nós mesmos. A Caverna de Chauvet foi descoberta por acaso por espeleólogos amadores em 1994. Sua pintura parietal, de modo ainda mais surpreendente, chega a ser datada em cerca de 36.000 anos atrás. Observe com atenção as duas fotos a seguir, com a finalidade de nos reconhecermos nesses rostos do passado.


Figura: Réplica (inclusive das pinturas e artefatos) da caverna de Chauvet, interior, para preservar o sítio arqueológico. Inaugurada em abril de 2015, em tamanho real. Disponível em dw.com/pt-br/fran%C3%A7a-inaugura-r%C3%A9plica-da-caverna-de-chauvet/a-18407392 O sítio não indica na data visitada restrição ao uso de imagens e disponibiliza links de compartilhamento.

Figura: Réplica (inclusive das pinturas e artefatos) da caverna de Chauvet, exterior, para preservar o sítio arqueológico. Inaugurada em abril de 2015, em tamanho real. Disponível em dw.com/pt-br/fran%C3%A7a-inaugura-r%C3%A9plica-da-caverna-de-chauvet/a-18407392 O sítio não indica na data visitada restrição ao uso de imagens e disponibiliza links de compartilhamento.



______________________
NOTAS

1 Frase utilizada em certo mapa medieval. Era comum na cartografia medieval também a representação de dragões e criaturas sobrenaturais. No entanto, a frase também é utilizada por programadores. No Mozilla Firefox a frase aparece quando se digita “about:config” acessando o ambiente de programação do navegador. informação disponível em https://pt.wikipedia.org/wiki/Hic_sunt_dracones↑.

2 FAURE, Élie [1873-1937]. A arte antiga [1909]. Trad Álvaro Cabral. São Paulo: Martins Fontes, 1990


Folha, detalhe. Foto de Euler Sandeville, 2009.
      





_____________________________
"No sítio Toca do Boqueirão da Pedra Furada, 63 datações por carbono-14 (C-14) permitiram o estabelecimento de uma coluna crono-estratigráfica que vai de 59.000 até 5.000 anos AP. Numerosas pinturas rupestres se encontram na área. Ocre vermelho utilizado para desenhar nas rochas foi encontrado em camadas com datações de entre 17.000 e 25.000 anos AP. Recentes trabalhos no pedestal do Boqueirão da Pedra Furada e no local ao ar livre próximo do Vale da Pedra Furada têm produzido mais evidências para a ocupação humana que se estende por mais de 20.000 anos, argumento é apoiado por uma série de datações por C-14 e OSL (luminescência estimulada opticamente), e pelo análise técnica do conjunto de ferramentas de pedra.(...) Enormes oficinas líticas onde os homens obtinham a matéria prima e a lascavam para fabricar ferramentas foram encontradas na região norte do em 2002. Em uma delas, milhares de vestígios líticos estavam no solo sobre uma superfície de aproximadamente 25.000 m2). Existem atualmente 737 sítios arqueológicos catalogados onde foram encontrados artefatos líticos, esqueletos humanos, pinturas rupestres com aproximadamente 30.000 figuras coloridas, que representam cenas de sexo, de dança, de parto, entre outras. Ao longo de 14 trilhas e 64 sítios arqueológicos abertos à visitação, encontramos tesouros, como os pedaços de cerâmicas mais antigos das Américas, de 8.960 anos, descobertos na Toca do Sítio do Meio.. No circuito dos Veadinhos Azuis, podemos encontrar quatro sítios com pinturas azuis, a primeira desta cor descoberta no mundo" Disponível em pt.wikipedia.org/wiki/Parque_Nacional_Serra_da_Capivara, acesso em 06/01/2019, licença Creative Commons - Atribuição-CompartilhaIgual 3.0 Não Adaptada.






^ retornar ao início da página


uma proposta de Euler Sandeville Jr.


leia em "sobre" a Licença de Uso ↑ do material deste sítio
cite o conteúdo que utilizar deste sítio conforme indicado em cada artigo ou veja aqui modelo ↑ geral
utilizamos na edição deste sítio software livre
Entre em contado conosco ↑